Coworking vs Home Office: qual é a melhor opção?

O home office é uma modalidade de trabalho que vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil. Estima-se que mais de 12 milhões de funcionários já trabalhem nesse sistema, adotado por 36% das empresas no país.

Segundo uma pesquisa realizada em 2015 pelo site Trampos sobre o perfil do freelancer brasileiro, com participação de 1000 freelancers de todo o país, 91% declararam que trabalham em home office.

Muitas startups e empresas de tecnologia também adotaram o home office como regime de trabalho, como é o caso da Automattic, dona do WordPress, que possui mais de 400 funcionários espalhados em 40 países, incluindo o Brasil.

Há pouco mais de um ano, quando passei a me dedicar full-time ao Deskovery, o home office foi o regime que adotei nos primeiros 6 meses de empresa. Em agosto de 2015, quando ingressamos no programa de pré-aceleração do Espaço Nave, dividi minha rotina entre trabalhar em home office e em espaços de coworking.

O objetivo deste artigo é mostrar problemas que podem ocorrer em seu home office, muitos deles fora de seu controle, e como alguns espaços de coworking foram projetados para que você não precise se preocupar com nenhum deles.

1. Link de internet lento

Um dos maiores problemas do Brasil é a qualidade do serviço de internet. Mesmo quem mora em grandes cidades ainda sofre com isso. Muitos bairros sequer tem acesso a links de alta velocidade. Por mais que a Anatel obrigue as empresas a entregarem pelo menos 80% da velocidade contratada, na prática, nós sabemos que isso não acontece.

Só que a velocidade da internet não é apenas culpa da operadora. Aqui em casa, por exemplo, eu tenho Oi Fibra de 100 Mbps. Se eu conectar direto no cabo, consigo fácil a velocidade máxima, às vezes até um pouco mais.

Só que o roteador wi-fi fica na sala e o home office é no meu quarto. Entre eles, existem duas paredes, além de uma distância de cerca de 5 metros. Mesmo utilizando repetidor de sinal, a velocidade oscila entre 10% e 20% do total. Ou seja, de 10 a 20 Mbps de download.

Mas quantas pessoas tem acesso a fibra de 100 Mbps?

A maior parte da população provavelmente tem internet de 10 Mbps, que somando a velocidade real entregue pela operadora e a perda do wi-fi, deve ficar na casa do 1 Mbps.

Esse é um dos quesitos onde o espaço de coworking é, de longe, a melhor opção. Internet é o pulmão de um espaço de coworking. Por isso, não é difícil encontrar espaços que tenham 2 ou 3 links de internet disponíveis para seus clientes.

A Blocktime Coworking, localizado no bairro de Pinheiros, em São Paulo, oferece aos seus clientes 3 links de internet: um de 200 Mb da Vivo, para internet cabeada, que é muito mais estável do que wi-fi; um de 70 Mb da TIM, para internet wi-fi; e um de 30 Mb da NET, para contingência.

Se você não tem redundância de internet em seu home office, isso nos leva ao segundo problema…

2. Queda de internet

Ficar sem internet, para muita gente, pode significar o fim do mundo, a perda de um cliente, ou até mesmo deixar o seu chefe furioso.

No final de dezembro do ano passado, eu fiquei sem internet em casa por várias horas. Depois de 3 ligações para o suporte da Oi e mais de 1 hora de espera para ser atendido, descobri que uma obra na região rompeu a fibra, fazendo com que a rede da Oi ficasse fora do ar por quase 8 horas.

Era um domingo. No dia seguinte, eu tinha uma entrega importante para fazer. Eu acabei tendo que virar a noite esperando a internet voltar para continuar meu trabalho, o que foi extremamente cansativo e estressante.

Neste quesito, o coworking pode te salvar de duas formas: a primeira delas é a redundância, que eu detalhei no problema um acima. A segunda é se for numa situação de emergência, como a minha. Ou seja, em pleno final de semana e ainda por cima à noite.

Alguns espaços de coworking funcionam 24 horas por dia e 7 dias por semana. Ou seja, não param nunca. O Link2u Coworking, localizado na Av. Paulista, em São Paulo é um deles.

Se esperar a internet voltar não for uma opção para você, procure por um espaço na sua cidade que possa te atender em caso de emergência. Mesmo que ele não funcione 24×7, você pode tentar negociar um plano de contingência. Dependendo do nível de responsabilidade do seu trabalho, o melhor é você se prevenir.

3. Falta de energia elétrica

Ficar sem luz traz dois problemas imediatos: se você usa PC ou iMac e não tiver no-break, seu computador vai desligar e você provavelmente perderá todo o trabalho que estava fazendo, caso não tenha salvado a tempo. Além disso, sua internet também vai cair.

Se você tiver notebook e internet móvel, talvez nem precise se preocupar tanto, desde que sua internet seja boa. Mas se faltar luz por muito tempo, a bateria do seu notebook vai acabar e seu trabalho será interrompido. Então, não vai restar outra opção a não ser ir dar uma volta, ler um livro ou, dependendo do horário, ir dormir mesmo.

Sabendo desse risco, diversos espaços de coworking possuem equipamentos de contingência, como no-breaks ou geradores, para manter o escritório funcionando por algum tempo.

O Sharing E.C., no bairro de Pinheiros, em São Paulo, não brinca em serviço. Segundo Matias Vasquez, um dos sócios da empresa, o escritório possui no-breaks que mantêm máquinas (PCs e notebooks), internet e impressora em funcionamento por até 4 horas e meia.

Já o CWK Coworking, em Nova Lima, Minas Gerais, está localizado em um prédio que possui gerador: – “Não falta energia nunca.”, diz Bruna Lofego, sócia-fundadora da empresa, que também possui unidades em São Paulo e Belo Horizonte.

Se a sua atividade e seus clientes exigem alta disponibilidade, você tem duas opções: investir em redundância e equipamentos em seu home office ou contratar um espaço de coworking, ainda que para uso temporário.

Avalie o custo-benefício de cada uma delas antes de tomar essa decisão.

4. Barulhos na vizinhança

Uma das vantagens de atuar no ramo de tecnologia é poder trabalhar de qualquer lugar, desde que tenha acesso a internet, uma mesa e uma cadeira confortável.

Mas nem tudo são flores.

Há um ano, eu passei alguns dias em Cabo Frio, na casa dos meus tios. Eles moram em um bairro que está crescendo. Por isso, há casas novas subindo por todo lado. Resumindo: obras e barulho o dia inteiro.

Nem os fones de ouvido foram suficientes. Até porque, nem sempre dá pra trabalhar ouvindo música. Como na região ainda não existem espaços de coworking, não me restava alternativa a não ser aturar o barulho.

André Bittencourt, sócio-fundador da Base Interativa, trabalha em seu home office na Gávea e sofre diariamente com outro problema:

“Eu moro em frente a uma creche que funciona das 7 da manhã às 5 da tarde. Passo o dia inteiro ouvindo crianças e professores gritando. É péssimo para se concentrar e, também, quando preciso falar com um cliente ao telefone.”, diz André, que pretende migrar para um espaço de coworking perto de sua casa.

Muitos espaços de coworking estão localizados em casas e prédios em regiões comerciais. Alguns escritórios foram projetados para reduzir ruídos externos e até internos.

E quem acha que por serem escritórios abertos (sem divisórias) há muito barulho, saiba que isso é um mito. É um escritório como outro qualquer e todos os profissionais que os frequentam estão ali para trabalhar. Por isso, existe respeito e bom senso em relação ao silêncio e ruídos durante o expediente.

5. Falta de ânimo e motivação

Trabalhar em home office exige muita disciplina e organização. Mas como todo ser humano, algum dia você ainda vai acordar sem motivação. Isso pode acontecer por diversos fatores, como problemas pessoais, profissionais ou até mesmo de saúde.

Uma das coisas mais legais de se trabalhar com outras pessoas é que o ambiente pode contribuir para a sua motivação. Uma conversa no corredor ou no café pode ser suficiente pra te dar o gás que você precisava para trabalhar a todo vapor.

A cultura da organização e a decoração do ambiente também contribuem para a produtividade. O Employees’ Choice Awards é um prêmio baseado no feedback dos funcionários de empresas da América do Norte e algumas partes da Europa. Entre as top 10, estão empresas como Airbnb, Google, Facebook e LinkedIn.

Espaços de coworking são famosos por seus ambientes abertos e descolados. Cada espaço possui uma cultura diferente. A maior parte deles oferece planos de assinatura flexíveis, permitindo que você utilize-os apenas alguns dias por mês.

Então, se você quiser quebrar um pouco do isolamento do home office ou acordar desmotivado algum dia, vá para um espaço de coworking.

Conclusão

O custo (quase) zero, a comodidade e a economia de tempo no trânsito são as maiores vantagens do home office. Entretanto, existem fatores que estão fora do seu controle e podem impactar negativamente no seu trabalho. Se seus clientes ou chefe exigem que você esteja sempre disponível, é bom contar com um plano B para casos de emergência.

Nesse artigo, falamos sobre alguns deles e o que espaços de coworking oferecem como solução. Espero que tenha sido útil você e possa ajudar a tornar o seu dia de trabalho mais simples e produtivo.

Agora é a sua vez. Que outros problemas você já teve que lidar em seu home office que atrapalharam o seu trabalho e como você os resolveu? Conte para a gente abaixo nos comentários.